sábado, 28 de junho de 2008

Cotidiano - Blumenau, 28.junho.2008

NACIONAIS

LEI SECA

O Brasil é o país da falta de bom senso. A nova lei contra o álcool no volante é exageradamente imbecil. Fruto da falta de competência em fiscalizar a lei que já existia. Num primeiro momento, haverá blitze e o escambau. Depois, tudo voltará ao normal. É o país da incompetência administrativa, virando também o país da incompetência legislativa.

E O BOM SENSO?

Ninguém é a favor dos acidentes de trânsito provocados pelo consumo de bebidas alcoólicas. Mas não poder ir a um restaurante e tomar uma taça de vinho para acompanhar um prato a base de massas, por exemplo, é ridículo. Ser preso porque exagerou no sagu (a sobremesa) é uma piada. Como já disse Charles De Gaule, o Brasil não é um país sério.

A falta de bom senso é potencializada pela mídia, que orquestra a opinião pública composta por uma grande maioria de pessoas sem opinião própria.

EXPLOSIVO

Deu Dinamite na eleição contra o grupo de Eurico Miranda, no Vasco, na madrugada deste sábado: 140 votos a 104. Melhor para o futebol.

GRENAL

Domingo é dia do jogo de maior rivalidade do país: Grêmio x Inter. Os gremistas de Blumenau já marcaram. Vão invadir o Tumanako Bar, da rua São Paulo. Virou reduto tricolor.


LOCAIS

1-7-1 BRABO

Em Blumenau – e não só aqui – panfletos entregues na rua convidam o povo para oportunidades profissionais milagrosas. Num deles “empresa brasileira líder de mercado seleciona consumidores VIP” para, “cuidando da sua saúde, converter gastos em lucros”. E aí segue uma baboseira oferecendo ingresso imediato, treinamento e cursos, numerosos incentivos e até mesmo possibilidade de carreira internacional.

Esses é que deveriam ser presos.

JORNALISTAS


No meio, o comentário sobre o Congresso de Jornalistas realizado na cidade neste final de semana (sexta e sábado), no Viena Park Hotel, é que pouquíssimos participariam, devido aos preços de inscrição. Pelo menos palestras de abertura na sexta foram gratuitas. Pelo que dizem, por pressão do estudantado da área.

NOVA CASA

O Noticenter (
www.noticenter.com.br), site especializado em jornalismo econômico do amigo Carlos Tonet, inaugura sua nova sede na próxima sexta-feira, 4. O site virou referência em sua área de atuação e é muito respeitado por empresários e economistas.

XADREZ


O amigo Alexandre Gonçalves (gaúcho e gremista, para garantir a qualidade), jornalista do blog Informe Blumenau indicado aí do lado direito, escreveu dia desses que este período de costuras das alianças parece um jogo de xadrez. É mesmo. E que jogo, hein?!? Esse ano, este jogo às vezes parece o samba do crioulo doido.

MÁ JOGADA

A não ser que as convenções desdigam tudo o que foi dito nos últimos dias, o PT cometeu a pior jogada estratégica nessas alianças. Após perder o PMDB para JPK (o que não poderia evitar, já que a ordem veio do governador LHS), parece ter esnobado PR (do Dalto, parceiro de primeira hora) e o PP. Nos últimos dias, os principais possíveis vices de Décio conversavam para apoiar JPK.

CHAPA PURA?

O PT ainda perdeu o PV de Ivan Naatz e mesmo o PDT, que teve o nome de Amauri Cadore indicado pelo próprio Décio Lima como o preferido para seu vice, prefere a candidatura própria. Aliás, a indicação de Cadore fez com que PR, PP e PV, de uma só vez, desembarcassem da aliança petista. Foi jogada derradeira, no tabuleiro.


SAMBÃO DOIDO

Num primeiro momento dá a impressão que o PT prefere mesmo chapa pura, com aliados que não exijam muito espaço. Difícil é ganhar eleição assim. O próprio presidente da comissão de negociação das alianças pelo PT, Aroldo Bernhardt, disse publicamente discordar da indicação de Cadore para vice e da forma como aconteceu. Parece que não há entendimento ali dentro. A não ser que seja uma jogada de mestre, o jogo da costura de alianças está perdido.

POR OUTRO LADO

JPK levou para sua aliança a tríplice (D25, PMDB e PSDB) e outros partidos menores. Na última hora buscou o PR, até então aliado de Décio, e pode contar ainda com o PP, que estava mais pra lá do que pra cá. Costurou tão bem, que sai com vantagem para a campanha eleitoral propriamente dita. Uma vantagem que as pesquisas chegaram a ameaçar, há alguns meses.

As convenções deste final de semana vão dizer quem jogou melhor neste grande tabuleiro.

REAJUSTE PARLAMENTAR

Os vereadores aprovaram quase 60% de reajuste nos próprios salários e depois voltaram atrás. Ano eleitoral é fogo. Até porque colocaram a bomba na mão do prefeito, que tem o poder de sancionar (aprovar) ou vetar (rejeitar) o resultado da votação no plenário da Câmara. JPK não teve dúvidas: vetou o projeto. Nem quem votou a favor teve coragem de segurar o rojão.

DESAJUSTE PARLAMENTAR

O pior é que o vereador em Blumenau ganha pouco, especialmente comparando aos de outros municípios. Numa outra coluna dessas, defendi que deveriam ter reajuste, sim. E continuo com a mesma opinião. Mas... para aí: 60% é dose, não?...

Aceleraram tanto, que derraparam na curva. Poderiam ser mais humildes e com um pouquinho de marketing político antecedente, chegar a um salário melhor e razoável, sem grandes sustos e repercussão negativa.

ELES E A MÍDIA

Desta vez, a mídia nem precisou fazer a opinião pública ficar contra. O percentual assustou a todos. Ainda que o “berro” potencializado pela mídia tenha sido fatal para os vereadores voltarem atrás. Porém aqui também vale a frase lá de cima: a opinião pública composta por uma grande maioria de pessoas sem opinião própria.

QUASE, NAATZ

E quase os vereadores acabaram dando palanque para Ivan Naatz (PV), que já anunciava que entraria na Justiça contra o reajuste salarial e contra o décimo terceiro salário. Um fato desses na reta final da eleição, poderia dar a Naatz um percentual razoável de votos em outubro.

Aliás, Naatz que considerava a possibilidade de concorrer a vereador com boas chances de chegada, deve mesmo ser novamente candidato a prefeito. É o sacrifício necessário pelos partidos menores, caso do PV.

AGORA, A ELEIÇÃO

Com as convenções partidárias municipais que se realizam neste final de semana, homologando as candidaturas, acaba o jogo de xadrez e começa a corrida eleitoral. Com barreiras. Candidaturas abertas, santinhos nas ruas e o voto definindo a cidade por mais quatro anos.

Quem viver, verá.



quarta-feira, 25 de junho de 2008

Ecce Homo, de Nietzsche

Acabei de ler “Ecce Homo”, de Friedrich Nietzsche, o último livro escrito por este pensador alemão do século XIX antes de – segundo a história – ele enlouquecer. Escrito em 1888, “Ecce Homo – De como a gente se torna o que a gente é” é a obra em que Nietzsche explica sua própria obra (demais títulos), onde se encontram pérolas como “O Anticristo” (para mim um dos melhores – se não o melhor – livro de todos os tempos) e “Zaratustra”, aos leitores e ao mundo.

Trata-se de um livro onde Nietzsche, cujo forte não é a modéstia, tenta explicar-se, sempre generoso consigo mesmo nos auto-elogios. Não é à toa que os títulos dos capítulos são “Por que eu sou tão sábio”, “Por que eu sou tão inteligente”, “Por que eu escrevo livros tão bons” e “Por que eu sou um destino”, além do nome das próprias obras que já havia lançado. Com tanto confete jogado em cima de si mesmo, Nietzsche consegue ser muito bom também nesta obra.

E estando com ela na cabeça – aproveitando minha mania de anotar as passagens que mais gosto desses pensadores especiais – repasso abaixo algumas das pérolas encontradas em “Ecce Homo” (traduzido: “Eis o Homem”):

“Mas o vento da grande liberdade já sopra sobre tudo; a própria ferida não age como objeção... Sobre a minha compreensão dos filósofos como um tremendo material explosivo, ante o qual tudo está em perigo; sobre a renovação que promovo com meu conceito de filósofo, colocando-o a milhas de distância de um conceito capaz de ainda encerrar em si um Kant – sem contar os ‘ruminantes’ acadêmicos e outros professores de filosofia ... O meu texto dá uma aula impagável, reconhecido inclusive o fato de que não é ‘Schopenhauer como educador’, mas sim sua antítese, ‘Nietzsche como educador’, que é chamado às falas (...) É minha sagacidade, ter sido muitas coisas em muitos lugares a fim de poder me tornar uno – a fim de poder chegar a ser um... Eu também tinha de ser, por algum tempo, um erudito”.

“Naquela época meu instinto decidiu-se de maneira inexorável contra a continuação da condescendência, do seguir-aos outros, do enganar-a-mim-mesmo. Qualquer modo de vida, as condições mais desfavoráveis, enfermidade, pobreza – tudo me parecia preferível àquela ‘ausência de si’ indigna à qual eu me entregara por ignorância, por juventude, e na qual eu acabara ficando pendurado mais tarde por preguiça, devido ao assim chamado ‘sentimento do dever’.”

“Quem está em desacordo comigo acerca desse ponto, esse eu considero infectado... Mas o mundo inteiro está em desacordo comigo... Para um fisiólogo, tal antinomia de valores não deixa a menor dúvida. Quando, no interior do organismo, o mais íntimo dos órgãos deixa de impor por um instante que seja a sua autoconservação, a sua renovação de forças, o seu ‘egoísmo’ com absoluta certeza, o todo degenera. O fisiólogo exige a extirpação da parte degenerada, renega qualquer solidariedade como o degenerado, é quem está mais distante de mostrar piedade com ele. Mas o sacerdote quer justaene a degeneração do todo, da humanidade: por isso ele conserva o degenerado – e a esse preço ele a domina... Que sentido têm aqueles conceitos mentirosos, os conceitos auxiliares da moral, da ‘alma’, do ‘espírito’, do ‘livre-arbítrio’ de ‘Deus’, se não o de arruinar fisiologicamente a humanidade?... Quando se desvia a seriedade de autoconservação, da fotificação do corpo, quer dizer, da vida, quando se faz da anemia um ideal, quando se constrói ‘a salvação da alma’ sobre o desprezo do corpo, o que é isso senão uma receita para a décadence? – A perda do equilíbrio, a resistência contra os instintos naturais, em uma palavra, a ‘ausência-de-si’ – tudo isso foi chamado de moral até agora... Com a ‘aurora’ (título de um dos livros de Nietzsche, mas aqui escrito com letra minúscula pelo que a própria palavra em si significa) iniciei, pela vez primeira, a luta contra a moral da renúncia a si mesmo”.

“Nós, os novos, os sem nome, os difíceis de serem entendidos – é dito lá -, nós, os filhos prematuros de um futuro ainda não demonstrado, temos a necessidade, para um novo objetivo, de um novo meio, quer dizer, de uma nova saúde, uma saúde mais forte mais afinada mais tenaz mais ousada mais divertida do que todas as saúdes conseguiram ser até agora. Aqueles cuja alma tem sede de experimentar toda a extensão dos valores e desideratos e navegar por todas as costas desse ‘mar inferior’idealista, aqueles que querem saber, das aventuras de suas experiências mais pessoais, como é que um conquistador e descobridor do ideal sente-se, e, da mesma forma, como um artista, um santo, um legislador, um sábio, um erudito, um devoto, um eremita divino do velho estilo sentem-se: eles têm necessidade, antes de tudo, da grande saúde – uma saúde que a gente não apenas tem, mas adquire e tem de adquirir constantemente, porque sempre se volta a abandoná-la, sempre tem de se abandoná-la...”.

“Eu conheço meu fado. Um dia haverão de unir ao meu nome a lembrança de algo monstruoso – uma crise como jamais houve outra na Terra, na mais profunda colisão de consciência, em uma decisão evocada contra tudo aquilo que até então havia sido acreditado, reivindicado, santificado... Eu não sou homem, eu sou dinamite. E com tudo isso não há nada em mim que me torne o fundador de uma religião; religiões são negócios do populacho e eu sempre tive a necessidade de lavar as minhas mãos ao entrar em contato com pessoas religiosas... Eu não quero “crentes”, eu penso que sou demasiado mau para acreditar em mim mesmo (...)”.

“Mas ainda escolhi para mim a palavra imoralista como distintivo, como distinção; eu tenho orgulho de possuir essa palavra que me distingue de toda a humanidade. Ninguém ainda sentiu a moral cristã como se estivesse abaixo de si: isso requereria uma altura, uma longividência, uma profundidade psicológica e uma abissalidade até hoje inauditas. A moral cristã foi, até agora, a Circe de todos os pensadores – eles estavam a seu serviço”.

“Fui compreendido? O que me separa, o que me coloca à parte de todo o resto da humanidade é haver descoberto a moral cristã. Por isso tive a necessidade de fazer uso de uma palavra que mantivesse o sentido de um desafio a cada homem. Não ter aberto os olhos mais cedo nesse ponto me parece ter sido a grande impureza que a humanidade carrega na consciência, como automistificação tornada instinto, como vontade radical de não enxergar nenhum acontecimento, nenhuma causalidade, nenhuma realidade, como falsificação in psycologics que chega ao crime. A cegueira ante o cristianismo é a cegueira par excellence – o crime contra a vida (...) O cristão foi, até agora, o 'ser moral', uma curiosidade ímpar – e como 'ser moral', mais absurdo, falso, vaidoso, leviano, mais prejudicial a si memso do que o maior dentre os desprezadores da humanidade jamais ousaria sonhar... A moral cristã – a forma mais maligna da vontade de mentira, a verdadeira Circe da humanidade: aquilo que a deteriorou. Não é o erro na condição de erro que me assusta à visão disso tudo, não é a milenária falta de 'boa vontade', de disciplina, de decência, de bravura nas coisas do espírito, que se revela em sua vitória – é a falta de natureza, é o fato terrível, é a situação completamente terrível de que a própria antinatureza receber as supremas honras como moral (...)”.

“Que se tenha ensinado o desprezo pelo primeiríssimos instintos da vida, que se tenha inventado uma 'alma', um 'espírito' para arruinar o corpo; que se ensine a ver algo impuro no pressuposto da vida, a sexualidade; que se busque o princípio ruim naquilo que é básico e necessário ao florescer, o estrito amor-a-si-mesmo (...) Essa única moral que foi ensinada até hoje, a moral da renúncia-a-si-mesmo trai uma vontade de fim, nega a vida em seus fundamentos”.

Não sei quanto a você que passeia por esse blog agora. Mas muito do que Nietzsche escreve parece auto-aplicável aos dias de hoje, à sociedade atual e, em algumas passagens, até mesmo à nossa vida pessoal. Um exercício de interpretação é sempre bem vindo.

sábado, 21 de junho de 2008

Cotidiano - Blumenau, 21.junho.2008

INTERNACIONAIS

CARRO À ÁGUA

Os japoneses já inventaram o carro à água (hidrogênio). Funciona com qualquer tipo de água, inclusive da chuva e do mar. Anda até com chá. E alcança 80 km/h. Já era sem tempo, pois se sabe que é a tecnologia automotiva do futuro próximo. Procuram investidores para fabricar o veículo em série.

INTERESSES ECONÔMICOS

A coisa, porém, não deve ser tão simples. Países com grandes campos petrolíferos vão deixar de ser potencias mundiais, pois o “ouro negro” já não será mais ouro. Há muitos interesses econômicos mundiais envolvidos. As previsões eram de que o hidrogênio substituiria o petróleo em 25 anos. Quando acontecer, o Brasil virará top. Resta saber se não teremos os “donos do mundo” metendo o bedelho e arrumando confusões/invasões por aqui.


NACIONAIS

MILICOS NO RIO

Pano pra manga o caso dos milicos que prenderam e entregaram três jovens aos traficantes de favela rival. Mancha – e como – a imagem do Exército Brasileiro. Exceto que punidos exemplarmente com expulsão e condenação criminal.

MILICOS AQUI

Aliás, quando se falou na presença do Exército para combater o crime organizado no Rio de Janeiro, viu-se da impossibilidade por não estar previsto nas normas constitucionais. Em Blumenau, tarde dessas, militares faziam mudança (móveis), num caminhão do Exército, em frente ao prédio da Justiça Federal (rua Sete). Estaria nas regras constitucionais? Ou só vale pular a cerca quando o serviço é brando?

VERGONHA VASCAÍNA

Eurico Miranda continua aprontando das suas e envergonhando a torcida vascaína. Depois de roubar eleição passada, onde até pessoas com 114 anos de idade “votaram”, garantia esta semana que não haveria nova eleição. A Justiça bancou o novo pleito e agora se finge de morto. A nova votação está ocorrendo agora (sábado) e pelo bem do futebol brasileiro, seria muito bom que Roberto Dinamite ganhasse de Eurico.

VERGONHA NACIONAL

O Brasil perdeu para Paraguai e empatou com a Argentina em casa. Cacá e Ronaldinho são esnobados por Dunga (Ronaldinho Gaúcho sem time e com uma perna só é melhor que muito cabeça de bagre convocado por Dunga). Só restam poucas pergunta: seleção brasileira não é lugar dos melhores? Um jogador pra chegar lá não precisa provar isso em campo, no seu clube? Como Dunga, que nunca havia treinado um time de futebol na vida, chegou a técnico da seleção? Hein? Hein?

A culpa não é dele. É da CBF.


LOCAIS

LITERATA

Amigo bem ligado à literatura e respeitado na área, ao ver o “barulho” causado pelo lançamento do livro Spike, que conta a história do cão e sua dona, saiu com esta: “Enquanto batemos palma para a literatura animal, esquece-se da literatura dos sentimentos”.

SÓ POR AQUI

Estacionamento privado é o grande filão do centro – e arredores – de Blumenau. Tão bom, que tem estacionamento que se dá ao luxo de ostentar plaqueta no portão: “Fechamos às 18 horas”. Quem trabalha até este normal horário comercial, então, tem que sair mais cedo para não ficar com o carro preso? É muita folga...

TAMBÉM QUERO

Mudança no estatuto do DCE (vai quem quer! – só pra rimar) prevê, mediante aprovação do estudantado via consulta, remuneração aos líderes estudantis. Tudo bem que eles têm de se dedicar mesmo e até acabam perdendo aulas e mais aulas. Mas o novo estatuto que se quer aprovar deixa aberto para que os próprios dirigentes decidam sobre sua remuneração. Aí já é um pouquinho demais, não?

AS 3 VIAS DO PDT

Até quinta à noite ninguém sabia para onde ia o PDT de Blumenau. Se casava com JPK, com Décio Lima, ou se assumia a opção de ser a terceira via. O menos provável aconteceu: o PDT vem com candidatura própria e Valdecir Mengarda (ex-PT e ex-PSol) é o cara. Pelo visto, o líder estadual Maneca Dias teve influência na decisão. Aliás, Mengarda acredita que a candidatura do PDT levará a eleição para o segundo turno.

RUFINUS É VICE

Parece que não muda mais. O vereador Rufinus Seibt (PMDB) será mesmo o candidato a vice na chapa de JPK. Popular principalmente no bairro da Velha e político do estilo “formiguinha” (está em todo lugar), Seibt é do tipo que não incomoda os parceiros. Porém, tem votação limitada: foi candidato duas vezes a deputado estadual e não chegou nem perto da eleição. Seria perfeito se o PMDB viesse unido. Mas não é isso que transparece.

CONVENÇÕES E O PP

A tríade principal da tríplice aliança (D25, PMDB e PSDB) fechou convenção municipal - cada um na sua - para o dia 28, como forma de homologar candidaturas. Espertamente, o PP vai marcar a sua para dia 30. Assim poderá utilizar o discurso de que foi “abandonado” por JPK e fica livre para uma costura com Décio Lima.

Resta saber qual a posição do atual vice de JPK, Édson Brunsfeld, sobre o assunto. Chegou a ter sua candidatura a prefeito lançada recentemente, mas o PP tá louquinho para acertar com o PT.

As eleições começam a esquentar e darão o que falar.

terça-feira, 10 de junho de 2008

APENAS MAIS UMA DE AMOR - Lulu Santos

Eu gosto tanto de você
Que até prefiro esconder
Deixo assim ficar subentendido


Como uma idéia que existe na cabeça
E não tem a menor obrigação de acontecer


Eu acho tão bonito
Isso de ser abstrato, baby
A beleza é mesmo tão fugaz


É uma idéia que existe na cabeça
E não tem a menor pretensão de acontecer


Pode até parecer fraqueza
Pois que seja fraqueza então,
A alegria que me dá
Isso vai sem eu dizer


Se amanhã não for nada disso
Caberá só a mim esquecer
O que eu ganho, o que eu perco

Ninguém precisa saber

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Nesta letra simples, direta e, principalmente, carinhosa, Lulu Santos - o cara que mais sucessos emplacou nos anos 80 - trata do "amor platônico" (é bem mais do que isso) de uma forma totalmente livre. Tão livre, que chega a ser leve como uma brisa que não tem a obrigação de acariciar um rosto ou as folhas de uma árvore.

Sentimentos bons como o amor, paixão ou querer bem, simplesmente, sem a obrigação de acontecer e, na estrofe seguinte, mesmo sem a pretensão de que isso aconteça. É como gostar simplesmente por gostar, por ter um sentimento bom no coração. Isso é um grande barato, pois sai da visão normal do querer que aconteça, do fazer acontecer. E mais: mostra que, muitas vezes, o que importa não é o destino, mas o caminho (eu diria até que na imensa maioria das vezes). Porém, nós, pobres mortais, temos a necessidade de fazer acontecer, porque só acreditamos no concreto, no que se toca, se realiza...

Aí o cara diz que "Pode até parecer fraqueza/ Pois que seja fraqueza então / A alegria que me dá / Isso vai sem eu dizer"... Cara, isso é muito legal! Quem vai dizer o que é fraqueza? Quem é tão "forte" para julgar o sentimento dos outros? Pois que seja fraqueza, então. Fo... dane-se! A alegria que isso dá a ele transparece, vai sem ele dizer. Muito bom isso.

"Se amanhã não for nada disso / Caberá só a mim esquecer / O que eu ganho, o que eu perco / Ninguém precisa saber"... que recado claro, reto e inteligente: da minha vida, só eu sei, só a mim interessa, só a mim mesmo presto contas.

Tudo bem que a letra é de fácil leitura, interpretação. Mas é muito bom ler, ver, rever, fazer uma releitura desta letra, com uma 'filosofia' tão simples e tão bela. A vida é uma curtição muito pessoal e a grandeza está em vivê-la da forma mais livre - dos conceitos dos outros - possível.



sábado, 7 de junho de 2008

Cotidiano - Blumenau, 07.junho.2008

INTERNACIONAIS

NOS EUA

Hillary Clinton jogou a toalha e espera que Barack Obama a convide para ser candidata a vice na chapa dos Democratas norte-americanos. Ele ainda não está convencido que ela é o melhor nome. O primeiro candidato negro dos EUA está com a bola toda e pode acabar com a supremacia dos últimos anos dos Republicanos de George Bush.

SELEÇÃO?

Já tinha dito, em coluna anterior, que Dunga na seleção é dose... mas fez certo em colocar time reserva contra a Venezuela. Deixou claro que a seleção brasileira (hoje assim mesmo, com letras minúsculas) depende da qualidade individual dos jogadores porque não tem tempo de entrosamento, nem técnico. Perde até pra Venezuela. Particularmente, vi só um pedacinho da partida. Não tenho paciência para jogos amistosos – ainda mais sem qualquer qualidade. De nossa parte.

Ah! A nota veio parar aqui nas “internacionais”, porque quem jogou foi a Venezuela.


NACIONAIS

COLIGAÇÕES

O TSE decidiu que nessas eleições (2008) as coligações proporcionais deverão obedecer as coligações majoritárias. Ou seja: os partidos que se aliarão em termos de legenda na eleição para vereador, terão de ser os mesmos que se apoiarão na campanha para prefeito. Dificulta para os partidos, facilita para o entendimento da população. E deixa o cenário menos fisiológico.

DONA DILMA

É... Dilma Roussef foi “anunciada” provável candidata do PT à presidência e já começaram a bombardear a super-ministra. Já falam até mesmo em indiciar a mulher. Política, não é fácil. Há de se estar com o nome limpíssimo e acima do bem e do mal, tipo... inatingível.

PORNOPOLÍTICA

Deu no Santa: a prefeitura de Barra Velha (SC) assinava três sites pornográficos a R$ 9,90 ao mês cada. O contribuinte da cidade litorânea pagou, até maio, R$ 287,10 para algum tarado espertinho ficar viajando na pornografia. Depois ficam brabos quando dizem que a política é uma putaria.

PM POLIGLOTA

O policial civil Jayson Brocardo, de Itajaí (SC), acaba de lançar o livro “Bastidores Cômicos da Polícia”. Contando um dos casos narrados no livro, lembrou de uma batida policial numa zona de meretrício. Entraram bradando “mãos na cabeça, mãos ao alto” e um cidadão abriu os braços, apavorado, olhos esbugalhados, sem ação, mas não obedeceu a ordem dada de colocar as mãos na cabeça. O policial insistiu uma, duas vezes. Na terceira já berrava nervoso com o homem desobediente quando uma das prostitutas interveio: “Calma policial, ele não entende. É americano”. Para não perder a linha e vendo que os amigos da polícia já soltavam risinhos sacanas, deu dois passos para trás e ordenou: “Stop! Police! Mãozation na cabeçation”.

Brasileiro é o que há!


LOCAIS

HORA CERTA

Acusado de desvio de R$ 4,1 milhões quando era prefeito de Blumenau, no ano 2000, Décio Lima (PT) foi absolvido agora pelo Supremo Tribunal Federal, órgão máximo da Justiça do país. Já pensa em processar quem o denunciou, mas deve estar comemorando o anúncio da decisão do STF neste momento pré-eleitoral. Sem dúvida seria munição da oposição durante a campanha.

NÍVEL ACIMA

Por falar em Décio Lima, ele busca costurar com o PDT a possibilidade de indicar o vice em sua chapa. Depois de perder o PMDB, cuja decisão de apoiar o D25 veio de cima, via Estado/LHS, corre o risco de que o apoio do PDT também seja decidido por “interesses maiores”. Quer dizer, o apoio do PDT ao D25 aqui e em Brusque poderia dar ao pedetista Cezar Cim uma vaga definitiva na Assembléia Legislativa – e mais um deputado estadual ao PDT.

TEORIA E PRÁTICA

Deu na Folha de Blumenau: Cezar Cim assume interinamente uma cadeira na AL com a idéia de projeto que obrigue que o valor dos impostos esteja à mostra em produtos e serviços. A idéia é ótima e quase previsível, vinda de um coordenador de Procon. Porém, de difícil fiscalização. Nem mesmo a exposição de preços, condições de pagamento e juros em produtos de vitrine são facilmente cumpridos...

CINCO?

Com Cezar Cim na AL, Blumenau soma cinco deputados estaduais em ação. Dois titulares, três suplentes. Nunca teve tanta representatividade (12,5% do total de deputados estaduais). Mas as coisas devem voltar ao normal quando os titulares assumirem. Porém fica a análise: se temos três suplentes próximos de assumir, é porque não faltaram muitos votos para que eles fossem titulares. Então aqueles votos dados aos candidatos de fora da cidade, realmente tiraram a representatividade e força de Blumenau no cenário estadual.

NA CONTRAMÃO

Eu mesmo. Escrevi aqui e tive carta publicada em jornal dizendo ser a favor do 13º., de um salário digno para os vereadores e de maior número de parlamentares na Câmara de Blumenau. Houve até amigo me telefonando para saber se eu estava falando sério. Expliquei: criticar político é fácil... porque não tentar se eleger e fazer algo para melhorar? Mais: realmente acredito que só com salários decentes teremos pessoas decentes na política. Como quero representantes sérios, inteligentes e competentes, creio que o salário faz diferença sim.

No mais, sempre vem mais...

quinta-feira, 5 de junho de 2008

O fim do casamento como 'instituição'

A hipocrisia não está restrita à igreja ou à religião. O casamento, por exemplo, é ‘instituição doutora’ no assunto. Veja só: duas pessoas até então livres, resolvem unir suas vidas e amarrarem-se. “Para sempre”, ouvem no altar. Estão apaixonadas. Paixão, patos, patologia. Estão doentes. Cegas, perdem a noção de tudo. Defeitos viram virtudes, virtudes são ‘santificadas’ (essa foi boa!).

Mas o tempo não para (como diria Cazuza)... com o tempo a paixão se transforma em amor. Já não são loucos um pelo outro, já não idolatram os defeitos do parceiro. Porém, os aceitam. É o amor. O amor é como um barquinho à vela em alto mar, mas onde há sempre tempo bom, brisa suave, rota segura. É a calmaria em pessoa – ou pessoas. Com o tempo, enjoa. O amor é um sentimento para se ter com os pais, os irmãos, os filhos... não pela pessoa pela qual se foi apaixonado. Pelo menos não só ele. Seria como dançar uma música lenta com a própria irmã; algo sem emoção, sem graça.

A paixão, não! É como um barco em alto mar, no meio de uma tempestade, ondas enormes, sem direção. Dá medo, faz tremer, causa insegurança. É um desafio. É viver!.. mas porque estou escrevendo sobre paixão se ela não sobrevive ao amor, muito menos ao casamento?

Ah! Este era o ponto: casamento. Aquela instituição milenar (apesar das mudanças de termos e estilos, no passar dos séculos) que acaba com a paixão através da convivência linear; que vende o amor como sentimento ideal e normal para pessoas de sexos diferentes. O amor é lindo, diz o ditado, mas não sobrevive entre pessoas de sexos diferentes (entenda-se por isso, na modernidade em que estamos, como casais) sem a paixão. E se sobreviver, não será com o casal junto.

Acredito que a paixão é fundamental para mais momentos felizes – o que se costuma chamar ‘felicidade’, aquilo que todos buscamos como sentido da vida. O amor pode dar a sensação de segurança, de amizade, de parceria institucional... mas produz uma ‘felicidade meia-boca’. A gente ama um irmão, irmã, a mãe, até os amigos mais próximos, mas nem por isso se quer dormir com eles todos os dias da sua vida para sempre.

Então, como estamos em uma época em que convenções já não são mais tão importantes; em que a busca da felicidade enquanto satisfação pessoal sobrepujou a convenção ‘família’; em que muitas pessoas assumem seus sentimentos para consigo mesmos, destronando o sentimento obrigatório convencionado, o casamento como conhecemos esgotou sua magia. Fica na lembrança a bela cerimônia. Frases como “até que a morte os separem” caíram no ridículo dos novos costumes mais liberais e poderiam ser substituídas por “até que a paixão termine”.

E alguém me diz: “mas a paixão tem prazo de validade”, como quem quer dizer “ela terminará”. Tudo bem... a própria vida tem prazo de validade. E por isso vamos abdicar de vivê-la? Não será mais justo e honesto conosco mesmos tentarmos nos apaixonar sempre, ainda que por pessoas diferentes a cada vez, em busca da tal ‘felicidade’, do que aceitarmos a convenção da ‘felicidade meia-boca’?

A não ser que alguém encontre a fórmula mágica de uma pessoa que faça o outro se apaixonar todos os dias, esta é a única maneira que me parece razoável viver (no sentido literal-filosófico da palavra): constantemente mutável, em busca de emocionantes momentos felizes.

terça-feira, 3 de junho de 2008

Cotidiano - Blumenau, 03.junho.2008

INTERNACIONAIS

CHINA

Quatro milhões de crianças órfãs. Este é o saldo mais trágico e triste do terremoto na China. Tanto que o governo chinês mudou sua política de controle familiar. Resta saber quem adotará tantos pequenos órfãos...

É NOSSA

O presidente Lula mostrou firmeza, na Itália, quando o assunto era a Amazônia: é nossa. Aqui ninguém mete a mão, nem dá pitaco. Estou com ele nessa. Então só falta o governo endurecer o jogo naquela área, para que continuemos a ter Amazônia no futuro.


NACIONAIS

POLÍCIA, A DÚVIDA

A atitude da Polícia Militar recifense no jogo Náutico versus Botafogo chamou a atenção e causou indignação na imprensa esportiva carioca, o que espalha-se pelo país. Não é novidade. Ano passado, a mesma PM prendeu o técnico Lori Sandri. Em 2005, quando do jogo contra o Grêmio, Náutico e a PM de lá fizeram os maiores absurdos já vistos na história do futebol. São daqueles que vestem a farda e acham que mandam no mundo. Serão policiais mesmo ou bandidos com salvo conduto?

POLÍCIA, A CERTEZA

Já no Rio de Janeiro, a história da milícia que tortura jornalistas mostra que a situação está fora de controle. Nos guetos dominados pelas milícias, que têm policiais e ex-policiais em seus quadros, não há lei, nem mesmo democracia. Não se pode fazer reportagem, divulgar os fatos. Tal qual no tempo da ditadura militar, tentam calar à base de tortura. São bandidos, com certeza.

FILOSOFIA E SOCIOLOGIA

Depois de cinco anos (isso mesmo: 5 anos) de tramitação no Congresso Nacional, foi sancionada ontem, pelo presidente da República em exercício José Alencar a lei que torna obrigatório o ensino das disciplinas de Filosofia e Sociologia nas escolas de ensino médio das redes pública e privada. Demorou! Quem sabe assim, além de todo o conteúdo, muitas vezes de utilização futura bem duvidosa, a escola consiga ensinar a galera a pensar também. É isso que faz a diferença no mundo real.

MAIS LEVE

Para quem gosta de viajar pela Internet e se amarra em curtir sites originais, fica a dica:
www.danilogentilli.com. O site do humorista stand up paulistano é muito legal. Diferente mesmo.


LOCAIS

EMBRÓLIO JORNALÍSTICO

Danilo Gomes e Nei Silva, nomes bastante conhecidos em Blumenau, e que de uns tempos para cá andam pela capital Floripa, estão envolvidos em investigação policial por extorsão contra o Governo do Estado. Mas será que chegamos a este ponto?

ASFALTO

Sempre me perguntei porque as administrações públicas de Blumenau não asfaltavam ruas de pequena extensão mas que são ligações importantes entre corredores de serviço ou mesmo bairros. Agora aconteceu: rua Paraíba, entre a Sete e a São Paulo; rua Dona Emma, que liga a Benjamim Constant à Stanislaw Schaette e rua Antônio Haffner, ligação entre a Stanislaw Schaette e rua Gustavo Budag, que desemboca na João Pessoa, foram providenciais para os atalhos que o trânsito conturbado da hora de rush nos impõe.

NADA DE NOVO

Então não é notícia, diria um amigo meu... mas foi: o PMDB de Blumenau confirmou presença na aliança com João Paulo Kleinübing (D25) à reeleição - o que todo mundo já sabia, afinal o governador assim determinara. Plantado como possível vice, o vereador Rufinus Seibt anda animado. Mas quem vem correndo por fora – e aposto em seu nome pelo peso que tem nas internas do partido – é o secretário regional Paulo França. Deve ficar com a vaga.

BLUMENAU E A CSS

Quem diria, hein?!? Estão ressuscitando a CPMF depois de tanta confusão para extingui-la. Vem com nome novo e tudo. E nossos deputados federais, como votarão? João Pizzolatti (PP) diz que vota a favor, Décio Lima (PT) não abre o voto, mas defende o novo imposto. Ambos votaram a favor da manutenção da CPMF, na época. Cada um tem seus argumentos e isso não se discute. Estranho apenas que o eleitor que neles votou nunca seja consultado para votações importantes como essas. Nem por eles, nem por ninguém.


domingo, 1 de junho de 2008

Cotidiano - Blumenau, 01.junho.2008

INTERNACIONAIS

AMBIENTAL MESMO

Cinco filhotes de gavião foram encontrados no topo de uma chaminé de 45 metros de altura durante as obras de um terminal de gás no nordeste da Escócia e estão “atrasando” obra de R$ 1,14 bilhões da Shell. A empresa disse que só dará continuidade quando os filhotes naturalmente saírem do ninho. Isso pode levar até três meses. Na Europa, uma atitude dessas representa a admiração ou o ódio a uma empresa. De bobos, claro, eles não têm nada...

BOLA OVAL

Jogo da Seleção Brasileira contra o Canadá e nos Estados Unidos, só para americano ver, mesmo. E, claro, para encher as “burras” da CBF. Sobre futebol mesmo, Dunga, que estreou na profissão de técnico na premiada seleção canarinho, mostra um futebol pra inglês ver. Fica tudo na mesma língua.


NACIONAIS

ESCÂNDALOS AÉREOS

Pôxa, logo agora que aquela balbúrdia aérea estava sendo esquecida no Brasil, o presidente Lula manda sua família à Itália num avião da FAB? Claro que família presidencial sempre corre risco de seqüestro, essas coisas... mas vai que os controladores de vôo se emputecem?...

ESCÂNDALOS NA TERRA

Depois não querem que o brasileiro tenha uma péssima imagem dos políticos... o deputado estadual Álvaro Lins (PMDB/RJ), preso sob acusação de formação de quadrilha, corrupção e lavagem de dinheiro (claro, na sede da Polícia Federal), foi libertado após votação que definiu a revogação de sua prisão na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro. Assim, o corporativismo deu um banho e esclareceu: não há políticos corruptos no Brasil. Então tá.


LOCAIS

ESTACIONAVAN

Na inauguração do belíssimo Castelo da Havan, uma preocupação a mais para os pais que têm filhos estudando no Bom Jesus/Santo Antônio. Parte do estacionamento do colégio estava “reservado” para a Havan. Se a situação se repetir, vai gerar chiadeira sem dúvida, já que o estacionamento não comporta nem o movimento dos pais.

E OS BEBUNS...

Já se proliferam as reclamações de clientes do Supermercado Angeloni do bairro da Velha por conta de andarilhos que se estatelam nas calçadas de acesso à loja, em grupos, com garrafas e bafos escancarados. É anoitecer e a festa está feita, principalmente às quintas, sextas e sábados. Como a escadaria é particular, espera-se atitude do empreendimento.

ÁRBORIS

Sem o menor intuito de ser “propagandista” (pois o blog não é patrocinado por ninguém), me impressionou o projeto do Condomínio Árboris, da Frechal. Infraestrutura de lazer de clube.

BOLSHOI

Muito se fala da estrutura da escola do Balé Bolshoi, em Joinville, que é fantástica, porque conheço. Porém, quando se fala das apresentações em si, a história não é bem assim. São estudantes e ficam a dever quando no palco. Mesmo montagens famosas como Dom Quixote, apresentada no Teatro Carlos Gomes, ficam devendo. Especialmente pelos erros dos bailarinos principais. Aí se vende o nome Bolshoi, mas a apresentação é de aprendizes. Isso, ninguém diz.

PERIGOSO

Canteiro que separa a pista dos carros da ciclovia, no prolongamento da rua Humberto de Campos, precisa urgentemente de sinalização. Ou uma pintura refletiva ou os chamados “olhos de gato”, porque à noite fica difícil enxergar o longo canteiro. Com chuva, pior ainda.

DE QUATRO

Blumenau nunca teve tanta representatividade na Assembléia Legislativa nos últimos tempos como atualmente. Quatro deputados (10% do total da AL): Ana Paula (PT) e Jean Kuhlmann (D25), titulares, mais os suplentes Ivan Naatz (PV) e Ismael dos Santos (D25). E com a anuência de LHS, se a coisa não deslanchar agora, não deslancha mais.

ESPAÇO PÚBLICO

Vereador Jovino Cardoso (D25) é dono de uma idéia admirável (pelo menos em termos de publicidade): coloca uma tendinha armada nos bairros, com seu nome estampado e dois assistentes, para atender a população. Mas estranhei a armação da tal tenda no trevo da rua Stanislaw Schaetté, neste sábado. Afinal, o local é público e não pode ser utilizado nem por faixas promocionais, segundo a legislação municipal.

Por enquanto, é isso...